Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Twitter Basic Square

Começa processo disciplinar sobre não prestação de informações e rejeição do orçamento

A Diretoria Executiva do Náutico vai responder, em processo disciplinar, pelo não cumprimento de diversos itens do Estatuto e do Regimento Interno do Clube. O Conselho Deliberativo aprovou a abertura do processo no dia 13 de abril, e na última reunião (24/04) criou a comissão que será responsável pela apuração. A equipe é formada pelos conselheiros Bruno Moura Becker, Carlos Alberto Roma Júnior e Éden de Albuquerque Teobaldo.

Um dos fatos motivadores do processo foi o orçamento de 2017, cujo prazo estatutário de apresentação era até 15 de dezembro de 2016. A primeira proposta não trazia dados detalhados nem comprováveis de previsão de gastos e fontes de receita, e estipulava um gasto maior do que a arrecadação. Foi devolvida para ajustes, sendo posteriormente reapresentada com os mesmos defeitos, além de uma previsão ainda maior: R$ 28.382.722,00.

“A rejeição por parte do Conselho Deliberativo em relação à proposta de orçamento enviada se deu pela falta de comprovação das receitas orçadas, o que já se demonstra pelos atrasos no pagamento dos funcionários e dos atletas do futebol profissional, logo no início do ano”, ressalta o presidente do Conselho Deliberativo Gustavo Ventura. Passados mais de três meses após a rejeição da proposta de orçamento de 2017, o Executivo ainda não apresentou uma nova proposta.

O processo disciplinar envolve também a ausência de envio dos balancetes mensais para análise do Conselho Fiscal, além da demora na entrega de informações requeridas.

“Bem sabemos que a atividade profissional do Presidente da Diretoria Executiva – figura que a todos orgulha pelo o que fez pelo Clube, especialmente enquanto atleta – não está relacionada a questões que envolvam o direito ou a contabilidade, razão pela qual tivemos uma especial tolerância em relação ao tempo para cumprimento das exigências estatutárias e legais, o que não é mais possível”, justifica Gustavo Ventura.

Agora, com a comissão criada e o processo instaurado, serão enviados ao presidente Ivan Brondi todos os documentos referentes ao processo, conferindo-lhe o prazo estatutário de defesa. O prazo para conclusão do processo é de 60 dias, prorrogáveis por mais 30 dias. Posteriormente, o relatório da comissão será submetido à Comissão de Legislação e Justiça, para emissão de parecer.